quinta-feira, agosto 14

O vil metal

Na escala do paranóide securitário moderno, um é pouco, dois não está mau, três é multidão. 100 já começa a ser perigoso e 101 então - ui! - já carece de detector de metais, não vá algum concidadão menos responsável cometer um ilícito criminal com recurso a uma arma... claro está, metálica.

- Quem é que paga o detector?
- Quem promove esses perigosos ajuntamentos, pois claro.
- Quanto?
- Não interessa, tem de ser e pronto.
- Porquê 101?
- O caro amigo não está a pôr em causa a omnisciência dos nossos iluminados governantes, pois não?
- Alguém tentou (tentou, apenas) sondar se a população em causa prefere pagar mais nos seus estabelecimentos de diversão nocturna e ter um detector de metais ou se prefere as coisas como estão? Alguém sequer ponderou quantos ilícitos ocorreram em circunstâncias evitáveis com a presença dum detector de metais?
- O amigo já está a passar das marcas... Não se meta com o PS senão leva.
- É que se ao menos fossem 301...
- Shhht!

Etiquetas: ,