quinta-feira, fevereiro 22

Realidade a mais

Diz Salvador Massano Cardoso no Quarta República:

«O comportamento do senhor ministro da saúde é de lamentar. Arvora-se no maior de todos, julga que tem as soluções para resolver os problemas de saúde, ofende os que contestam as suas decisões, ignora o desagrado dos seus correligionários políticos, esquece-se que somos um país pobre com desigualdades sociais e regionais muito marcadas, quer aplicar as regras dos países mais ricos, esconde-se atrás de “guidelines” técnicos, pretende ignorar a triste realidade de quem vive nas zonas do interior, enfim, um todo poderoso que contraria o “espírito” socialista, tentando esconder as preocupações económicas numa área que irá constituir uma fonte adicional da desigualdade social: a saúde!»

Não podia discordar mais. Que Correia de Campos tenha tiques menos agradáveis à vista desarmada, até dou de barato, mas não é por aí que o gato vai às filhozes. Acho óptimo que julgue ter "as soluções para resolver os problemas de saúde", que ignore "o desagrado dos seus correlegionários políticos" e que se baseie em "“guidelines” técnicos". Quanto a aplicar as regras dos países mais ricos... deve-se daí presumir que a racionalização dos recursos é só para os mais ricos? E quanto à desigualdade na saúde, não sei se viu os números, viu? É que quando ninguém olha para os números, quem sofre são as pessoas. Não me digam que já se esqueceram do eng. Guterres.

Que a massa acéfala de Chaves, mais os seus risíveis líderes locais se sintam lesados nos seus interesses, compreende-se. É factual, objectivo. E que esses mesmos lesados não consigam, por emocionados, ver para além do seu universo de três quilómetros quadrados, não me espanta. Lamento, mas não me espanta. O que já me espanta e ainda mais lamento é o facto daqueles que comentam a acção política, supostamente à distância e munidos de alguma isenção, falharem em compreender uma coisa tão simples como, esta medida que, muito embora tenha prejudicados, é, no cômputo geral, positiva. Objectivamente. Já nas maternidades foi a mesma coisa. O Ministro era um assassino... pior, um neo-liberal! Estaremos cá para ver os resultados?

Actualização:

Leio que o governo cedeu. Mau sinal, mau precedente.

Etiquetas: ,

0 Comentários:

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial